Não importa que as pesquisas indiquem que a grande maioria da população seja contra as reformas e deseje a convocação de eleições diretas. Temer tomou o poder com apoio maciço da FIESP e do mercado e é para eles que irá prestar contas. Um presidente de uma empresa estrangeira chegou a bater o martelo: “Se o governo conseguir aprovar a reforma trabalhista, ninguém mais tira ele da Presidência. Porque tudo o que se quer é que as reformas sejam aprovadas”.

A REALIDADE PARALELA DOS POLÍTICOS BRASILEIROS     QUANDO FOI PERGUNTADO sobre sua experiência na área da segurança pública, o novo ministro da Justiça de Temer disse que ela se […]