Deputados federais são recebidos no TJ para esclarecer andamento da transposição

Após audiência pública sobre a transposição realizada no dia 1º de março no auditório do edifício-sede, o tema volta a ser destaque no TJRO, desta vez na sala de reuniões da presidência, onde o presidente da instituição, desembargador Roosevelt Queiroz Costa, recebeu os deputados federais Nilton Cabixaba e Marinha Raupp para prestar esclarecimentos sobre enquadramento dos servidores na esfera federal.

O convite aos parlamentares foi feito em consequência de várias reuniões sobre o tema entre os poderes e instituições. "Estamos buscando o reconhecimento de todos os servidores do estado, sem exceção, naturalmente que incluindo os servertuários do Poder Judiciário", afirmou o desembargador Roosevelt.

Participaram da reunião o procurador-geral do Ministério Público, Everton Aguiar; o procurador de justiça Julio César do Amaral Tomé; o presidente da comissão estadual de transposição e secretário estadual de Administração, Rui Vieira de Souza; o chefe da casa civil do governo, Marco Antônio Faria; o presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Euler Potiguar; o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia, Edilson de Souza Silva; o coordenador da comissão intersindical Israel Borges, assessores e a juíza auxiliar da presidência Úrsula Gonçalves.

Todos os representantes dos órgãos envolvidos nesse novo esforço de inclusão dos servidores até 1991 na transposição foram ouvidos pelos parlamentares, que se prontificaram em levar novamente o apelo à ministra chefe da casa civil, Gleise Hoffman. A estratégia definida na reunião foi o agendamento de um encontro dos representantes com a ministra, bem como com toda a bancada federal de Rondônia.

Tanto Marinha Raupp quanto Nilton Capixaba se colocaram à disposição para mediar o encontro e consideraram a atitude dos representantes dos poderes essencial para reforçar a luta pelo reconhecimento dos direitos dos servidores.

O presidente do TJRO lembrou ainda que a resolução no âmbito político tem resultado mais rápido ao contrário de uma demanda judicial. "Não é isso que que queremos. Bastaria que a União cumprisse o comando constitucional, com norma que é de eficácia plena e de aplicação imediata, mas o Executivo federal tem procurado regulamentar a matéria, desnecessariamente, com isso, restringindo direitos que não deveriam ser restringidos", completou.

 

 

Veja comentário na coluna de Gessi Taborda no Tudorondonia.com.br:

Em Linhas Gerais: Transposição, a cruel pegadinha para enganar os servidores
 

NÃO PERDE TEMPO: A novela da transposição foi uma “cascata” vendida aos servidores públicos como redenção para categoria sempre jogada prá escanteio (em todos os governos) por políticos de vários partidos, sempre usando o tema para ganhar votos preciosos desse segmento.
 
Hoje os servidores do estado estão carecas de saber que a “transposição” é mais uma maldosa pegadinha para enganar aqueles que esperavam melhorar substancialmente, com ela, os estipêndios. Mas disso só falou o senador Ivo Cassol. Já o senador do PMDB, Valdir Raupp, tratou de tirar vantagens dessa “transposição” cheia de malfeitos, tornando-se autor do pedido de urgência na votação da matéria no plenário, com a definição do dia 21, quando essa longa novela poderá ser encerrada com essa apreciação no Senado. Certamente Raupp não deixará de “lembrar” os servidores, “esta decisão de apoio” à categoria. Quem sabe assim os servidores esquecerão que comeram o pão que o diabo amassou quando ele foi governador.

http://www.tudorondonia.com.br/noticias/em-linhas-gerais-transposicao-a-cruel-pegadinha-para-enganar-os-servidores-,35549.shtml

 

Publicado em Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.