Vilhena: Posto Fiscal quase abandonado pode parar de funcionar no fim do mês

Notícia publicadaa às 13:55:40 – 17/08/2012

Por
Priciele Venturini

Um dos principais geradores de impostos para o governo de Confúcio Moura (PMDB) pode parar de funcionar no final deste mês de agosto, possivelmente por falta de gestão governamental.

O Posto Fiscal Wilson Souto da Secretaria de Estado de Finanças (SEFIN) é responsável por cobrar impostos de todos os veículos de cargas que entram e saem do estado de Rondônia. Em julho de 2011, o Posto entrou em reforma para modernização e ampliação sendo a obra orçada em R$ 4.177.769,89 com prazo de 04 meses pra execução.

Porém, há aproximadamente duas semanas o VILHENA NOTÍCIAS recebeu um e-mail de um internauta onde o mesmo sugeria a realização de uma matéria no Posto Fiscal para que fosse verificado o abandono e descaso do governo estadual com as obras.

De posse destas informações, a equipe de reportagem da web-jornal foi ao Posto Fiscal onde se constatou vários problemas em toda extensão do pátio: um escritório construído na entrada não foi finalizado; o muro ainda novo já está bastante deteriorado; vários postes de iluminação recém construídos foram derrubados pelos próprios caminhões durante as manobras. Há ainda a reforma da antiga sala da SEFIN que nem começou.

Reginaldo Garcia Maia, engenheiro civil do Departamento de Obras e Serviços Públicos (DEOSP) que faz a fiscalização da obra, confirmou que a mesma foi paralisada a cerca de 04 meses quando houve a necessidade de aditivos financeiros para a instalação de alguns itens, como fibra óptica, instalação elétrica, entre outros.

De acordo com Reginaldo este aditivo só saiu recentemente e será liberado na próxima semana. Ele relatou que em breve as obras poderão ser finalizadas: “Eu acho que, tranqüilamente, dentro de 120 dias estará tudo pronto”, acrescentou.

A respeito da reforma da sala da SEFIN, o servidor informou que a mesma não ocorreu ainda, pois os funcionários da secretaria estavam à espera dos móveis da nova sala para poder desocupar o antigo local de trabalho. Como os móveis não chegaram, eles ainda não se mudaram para o novo prédio, dificultando a reforma do mesmo.

“Estamos reiniciando a obra. Logicamente, teremos que andar rápido por causa da época da chuva”, disse.

Uma das ressalvas do engenheiro civil é que a construtora que está fazendo a obra terá que contratar novo pessoal para fazer a finalização dos trabalhos e “o que foi destruído será consertado também”, garantiu.

Funcionamento do Posto Fiscal correndo riscos

Além dos transtornos gerados pela paralisação da obra os funcionários do Posto Fiscal de Vilhena estão enfrentando outros problemas que os impedem de realizar seu trabalho com eficácia.

O mais grave deles é a falta de digitadores. De acordo com um funcionário do local, 14 digitadores deveriam operar em cada turno. No entanto, há dias em que se encontram menos da metade. Para piorar a situação, o contrato da empresa que terceiriza esse trabalho vence no final de agosto, e segundo informou a fonte, não houve qualquer proposta para renovação de contrato com esta empresa. Caso não seja renovado, os digitadores terão que parar de trabalhar e, consequentemente, o Posto Fiscal também.

Outro funcionário informou ainda que o sistema de informática utilizado no Posto é demasiadamente antigo e atividades que seriam realizadas rapidamente tem demora absurda, o que gera atraso na liberação dos veículos: “o sistema de informática é muito ruim, super arcaico”, enfatizou.

Recentemente, o destino do lixo é outra preocupação dos profissionais. Na visita feita dia 15 de agosto, os funcionários relataram que a aproximadamente 10 dias não era feita coleta de lixo no Wilson Souto. Ao que tudo indica, o contrato da empresa responsável pela coleta não foi renovado, acarretando em amontoamento de grande quantidade de resíduos tanto no pátio quanto banheiros do órgão.

Confira fotos da atual condição do Posto Fiscal de Vilhena:

Publicado em Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.