Sindicatos vão propor ao governo demitir 50% dos servidores comissionados

17/07/2012 – 14h21min – Atualizado em 17/07/2012 – 14h21min

(Clique na imagem para ampliar)

 

Da reportagem do Tudorondonia

Porto Velho, Rondônia – Os maiores sindicatos que englobam setores do funcionalismo público, como Sintero, Sindsaúde e Sinsepol, começaram a elaborar documento propondo a retirada de 50% dos CDSs do governo do Estado, como são denominados os cargos comissionados. Isso porque o governo não está conseguindo arcar com a folha de pagamento em sua totalidade.

No último dia 4 de julho o governo do Estado publicou decreto suspendendo por 120 dias o pagamento de todas as gratificações, incluindo insalubridade e hora extra. A medida não está sendo aceita pelos sindicalistas, porque o próprio governo enviou à Assembleia Legislativa projeto para a criação da Secretaria da Paz. O projeto foi aprovado.
Para a nova secretaria estão previstos 40 cargos comissionados. O menor dos CDSs é o 19, superior a R$ 6 mil. De acordo com os sindicalistas que encabeçam o movimento é inadmissível suspender o pagamento de gratificações e ao mesmo tempo aumentar despesas com a criação de mais cargos de assessoria.

Também constam entre as propostas que estão sendo elaboradas pelos sindicalistas reduzir o valor dos CDSs existentes e aumentar a fiscalização. Assim, o governo poderia reduzir despesas e aumentar a receita, para conseguir pagar os direitos dos servidores. Será proposta, ainda, a revogação do decreto que retirou o pagamento das gratificações dos servidores.

A meta é conseguir a assinatura de 30 sindicatos nas propostas que deverão ser encaminhadas ao governo do Estado nos próximos dias.

Na manhã desta terça-feira (17) estava sendo elaborado documento que deverá ser encaminhado à Assembleia Legislativa propondo a convocação da procuradora geral do Estado, Maria Rejane Sampaio Campos, para que ela explique a razão de o governo ter decidido suspender o pagamento de direitos dos servidores.

(Clique na imagem para ampliar)

Publicado em Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.