Morte servidor do Idaron no Posto Fiscal Belmont é reflexo da falta de condições de trabalho

Comoção, consternação e revolta são os sentimentos dos auditores fiscais e técnicos tributários que trabalham no Posto Fiscal Belmont, localizado na entrada do Bairro Nacional, em Porto Velho (ao lado do parque de exposições dos Tanques). O motivo é que, neste local, morreu atropelado, na noite desta terça-feira (27), o servidor Fábio Luiz de Lima, durante o exercício de trabalho.
Fábio Luiz tinha apenas 26 anos, era casado, tinha dois filhos, e era funcionário público da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril de Rondônia (Idaron). Ele dividia o mesmo espaço no referido posto fiscal com auditores fiscais e técnicos tributários, os quais ficaram chocados com a morte do jovem que era bem querido por todos.
 
O Posto do Belmont, que fica marcado pela morte do servidor da Idaron, foi, inclusive, um dos focos de protestos e recente paralisação dos auditores e técnicos tributários do Estado, por falta de iluminação no local e inexistência de um segurança de plantão para proteger a vida dos servidores, em vista da criminalidade que impera na região – por esses motivos, fiscais chegam a se trancar no prédio, durante a noite, temendo ação de bandidos.
 
Quanto ao acidente que resultou na morte do servidor Fábio Luiz, o representante dos auditores fiscais, Mauro Roberto, associa à falta de condição de trabalho no Posto Fiscal Belmont. “O local é escuro e marcado por assaltos. Por esses motivos, muitos motoristas acabam passando por ali em alta velocidade, colocando em risco, no entanto, a vida dos fiscais à serviço do Estado”, disse Mauro.
 
O representante argumentou ainda: “um posto fiscal fazendário é parada obrigatória para veículos que transitam com mercadorias; e os carros que não transportam mercadorias têm que reduzir a velocidade a 10 km, para garantir a segurança dos fiscais. Mas, para isso, é necessária uma boa iluminação local, lombadas para evitar a alta velocidade, e uma guarita com um segurança de plantão. Mas, infelizmente, no Posto Fiscal Belmont não tem nada disso – o resultado foi a morte do jovem Fábio que ainda tinha longos anos de vida pela frente…”, lamentou.
Nesta situação que se encontra no Posto Fiscal Beomont, não está dando mais para pais de família colocar a vida em risco. Assim como foi com o Fábio, poderia ter sido com qualquer outro. Nosso Sindicato [o Sindafisco] vai exigir providências urgentes para que não ocorram outras vítimas.
Publicado em Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.