CATEGORIA FICA PREOCUPADA COM PRODUTIVIDADE VIA SISTEMA

É com preocupação que a categoria recebeu a noticia de que a administração fará a apuração da produtividade via sistema. Escaldada com atitudes e ações unilaterais tomadas pela administração sem a aquiescência da classe, os técnicos tributários e auxiliares de serviços fiscais receiam mais uma medida que venha prejudicar ou dificultar excessivamente o aferimento dos pontos da produtividade, que é a maior parte do salário recebida pelo servidor.
A preocupação da classe consiste em que, com a implantação da apuração feita pelo sistema, colegas venham a ter dificuldades em fechar os pontos pela falta ou pouca tarefa em setores específicos ou em agências de rendas menores e de menor demanda de trabalho. Porém, em reunião recente onde os sindicatos se fizeram presentes a convite do Sr. Coordenador da Receita Estadual, que assim se pronunciou: “Esta nova sistemática adotada pela administração, virá para fazer justiça, quando servidores que não se empenham para realizar suas funções sobrecarregam outros e assim ganham os mesmos salários.” É fato que não se pode generalizar. Porém é de conhecimento que a maioria dos servidores trabalham exaustivamente, buscando oferecer um trabalho de qualidade e eficiência; e com isso participar positivamente nos resultados no incremento da receita estadual, que tem muito de suas colaborações.
Segundo o Coordenador da Receita Estadual, é comum receber reclamações de que há servidores que se “escoram”, enquanto outros são sacrificados, acumulando tarefas, e este acaba sendo também motivo para a administração delegar trabalhos técnicos a servidores terceirizados e administrativos, o que nós do sindicato não concordamos, visto que a legislação estabelece que estes trabalhos consubstanciam atribuições definidas para servidores da carreira TAF. Segundo, porque tais reclamações não chegam ao conhecimento deste sindicato, e se isso ocorresse, teríamos a oportunidade de participar das soluções dadas pela Administração a essas questões, visando ao bom andamento dos trabalhos no âmbito da SEFIN.
 
“Deixamos claro que não somos contra os trabalhos ou permanência dos administrativos e terceirizados prestando serviço na Sefin, os quais também são muito úteis e necessários para se atingir os objetivos propostos pelo governo; mas entendemos que as coisas devem estar bem definidas para que não se crie animosidades e contendas entre os servidores, pela invasão de espaços, culminando com prejuízos de direitos, descumprimento das legislações com textos ilegais e inconstitucionais, como temos visto ultimamente, os festivais de aberrações nos textos das leis”, diz Joy Luiz, presidente do Sintec.
 
Para definir a metodologia e a forma de apuração dos pontos dos Técnicos Tributários e Auxiliares de Serviços Fiscais, o Coordenador da Receita apresentou o Sr. Gerente de Arrecadação,  noticia esta que não foi bem recebida pela classe, uma vez que todos esperavam a delegação desse trabalho a um Técnico Tributário ou Auxiliar de Serviços Fiscais, que de fato conhecem melhor a realidade dos trabalhos diários da classe no âmbito da SEFIN. Contudo, o Coordenador da Receita informou que os sindicatos, inclusive o SINTEC-RO,  terão livre acesso para acompanhar os trabalhos da Administração nessa implantação da avaliação da produtividade no sistema, o que nós já estamos tentando efetivar, com a ajuda dos colegas filiados da capital e do interior, com sugestões que possam incrementar e/ou modificar a tabela do Decreto 9953/2002, já solicitado por esse sindicato. Aguardamos ainda a realização de uma reunião com o Sr. Gerente de Arrecadação para iniciarmos as discussões sobre o assunto, reunião essa já solicitada por esse sindicato desde o dia 25 de Agosto de 2008.
Publicado em Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.