Discurso de posse da Nova Diretoria do SINTEC

DISCURSO DO PRESIDENTE
 
Este não é momento de pedir, nem de discutir, de reclamar ou de reivindicar. Não!
 
Agora é momento de festa. De comemorar vitórias conquistadas. Reflexão às situações perdidas, e de esforços para as ainda não alcançadas.
 
Três anos de Astec. Dois anos de Sintec, e não poucas as conquistas pelo pouco tempo de existência. Tudo isto é reflexo de trabalho árduo, sério, responsável e acima de tudo, de confiança. Usamos os caminhos dos diálogos e dos atos administrativos para vermos atendidos nossos anseios. É fato, que devemos sempre estar dispostos as lutas para ver os nossos direitos respeitados, e naturalmente buscar a conscientização de todos para nos unirmos cada vez mais, considerando as mudanças que vem ocorrendo em nosso Estado, no nosso Brasil e até mesmo no cenário mundial, e queremos fazer parte destas mudanças.
 
Qual a nossa importância neste cenário:
Não existiria o cristianismo sem Cristo,…
Não existiria a igreja católica sem o Papa,…
Não existiria o beija-flor sem as flores,…
Não existiria a poesia sem o poeta,…
Não existiria a melodia sem o musico,..
Da mesma forma, não existiria a Receita Estadual, sem os Técnicos Tributários, os Auditores Fiscais, os Auxiliares de Serviços Fiscais, e todos os demais servidores que estão para concretizar a missão e objetivos da empresa que trabalhamos, o Governo do Estado de Rondônia.
 
A estrutura governamental, fazendária, por si só, com todo o seu aparato, instrumentos, prédios, carros, móveis,.. com a melhor legislação possível,… com os melhores programas de computador,… Não atingiriam os objetivos propostos, se não fosse a força de trabalho humana. Muita coisa mudou. Muita coisa melhorou. Muita coisa informatizou. Mas não podemos renegar o servidor, em detrimento das novas ferramentas, que vem para somar e não para substituir.
Qualidade dos serviços e dos trabalhos, só é possível contando com servidores também qualificados e preparados para desempenhar suas funções.
 
A eficiência dos trabalhos trazem satisfação pessoal do dever cumprido, quando atingimos a satisfação também dos nossos clientes. A remuneração condizendo reflete a recompensa por este empenho.
 
É inconveniente pensar e pouco sábio falar em acabar com o cargo do Técnico Tributário. Pensar assim, é dizer que não é importante o trabalho exercido por esta categoria. É desvalorizar a todos os Técnicos Tributários; desde os pioneiros, que carregaram a administração fazendária com muita dificuldade e muito suor, quando não tinha computadores, a falta de energia era constante, muitas viagens em estrada de chão com muita poeira, enfim… não se pode hoje desmerecer o seu trabalho. Será de boa estima ouvir que somos importantes e necessários dentro da estrutura fazendária.
 
Em relação ao governo, os sindicatos e demais instituições, esperamos por uma relação madura e não de intimidação ou terrorismo, ou a te mesmo de perseguição. Afinal não temos mais idade para os intimidar ou amedrontar, passamos desta faze. Não estamos vivendo em períodos de ditadura ou de coronelismo, mas estamos sob o mando da democracia brasileira, onde as leis gerais devem ser respeitadas, para preservar a boa ordem.
 
Ao nosso secretario: queremos vê-lo como o secretario de todos: dos Auditores, dos Técnicos, Auxiliares de Serv. Fiscais, dos motoristas, dos serviços gerais, dos administrativos, enfim de todos que aceitaram a responsabilidade de fazer acontecer as ordens determinantes das autoridades do nosso governo.
 
Devemos pensar no progresso do Estado, sim! Mas se nós nos preocuparmos também com o bem estar das pessoas, encontraremos uma equipe mais motivada e desejosa de continuar colaborando com a vossa administração.
 
Não é sensato a tomada de decisões unilaterais, quando se tem partes importantes e que podem ser afetados com os resultados determinados. Quando o assunto é interesse de classes, ainda mais quando estes interesses e direitos são ameaçados, é natural a manifestação de repudio e de desagrado. Esperamos que a administração sempre nos chame para discutir, e queremos, sempre está com o sentimento do bom dialogo, para chegarmos, sim, a decisões de consenso. Não estamos com isso querendo intervir na forma de como a administração deve conduzir suas ações como executor das leis.
 
Queremos auxiliar e colaborar para que as leis, que nos disciplinam, não sejam injustas e prejudiciais. Pois se assim não acontecer, estaremos criando condição que ameaçam nossas instabilidades físicas, psíquicas e emocionais, refletindo no resultado de nossa produção. Sem contar com isso, serão afetados nos filhos, esposa, família e a sociedade. Não queremos isso!
 
Desejo, Sr. Secretario, que possamos cultivar uma relação harmônica. Com respeito, com seriedade, humanidade, e acima de tudo justiça, e não precisamos perder o domínio da autoridade, pois somos adultos.
 
Buscamos dias felizes, de realizações. É comum fazemos reflexão sobre isso nos finais de anos por ocasião do Natal e passagem de ano. Mas é mais importante fazer durante a vida.
Assim sr. secretário e demais autoridades presentes e ausentes, cabem a nós, fazer com o que assim ocorra.
 
A minha família: minha esposa (Naide), e meus filhos (Juliane e Ricardo). Peço a ajuda e a compreensão de vocês. Não pretendo levar problemas do sindicado, da minha profissão para casa, mas o homem não se separa de um todo. As vezes problemas que parecem insolúveis ou de difíceis soluções, podem nos limitar o sentimento, e nos deixar insociáveis. Mas com o amor desta família, que sei que tenho, vou superá-los.
 
Aos nossos colegas: Me colocarei sempre a disposição de vocês. Em troca quero o respeito e as vossas ajudas, afinal o sindicato somos todos nós. Vamos fortalecer nossa classe cada vez mais.
 
Por ultimo me dirijo a Deus, não por menos importância, pois para mim Ele está em primeiro lugar. Vejo no meu Deus, como um irmão maior. Quando alguém se levanta contra mim, eu chamo Ele. Isso é apenas uma visão. Procuro buscar manter uma comunhão com Deus, para manter meu equilíbrio, sensatez, e acima de tudo simplicidade e humanidade. Por isso me preocupa muito com o que pode afetar as pessoas.
 
Meu desejo é que todos sejam felizes, realizados, e harmônicos em todo segmento do seu viver, principalmente no seio de suas famílias.
 
E é com esse Deus, que ora assumo a direção do nosso sindicato. Confiando que Ele aprova e está nesse negocio e vai mais uma vez me ajudar, me dando equilíbrio, palavras, sensatez, sabedoria, para consumar as vitórias que tanto desejamos.
 
Joy Luiz Monteiro – Presidente
 
Em 1° de agosto de 2008.
Publicado em Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.